55 3744 4413
55 3744 2608
entre em contato
Justiça condena consumidores por ‘gato’ na rede de energia

      “A incidência do princípio da insignificância não pode estar baseada somente no possível valor do dano, devendo-se verificar o demérito da conduta dos réus, impregnada de total censurabilidade e relevância”. Com esse entendimento, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais rejeitou recurso de três pessoas que foram condenadas a dois anos de reclusão e pagamento de dez dias-multa por se servirem de uma ligação clandestina à rede de energia elétrica, conhecida como gato.

      Assistidos por defensores públicos, os réus alegaram que não havia provas, nos autos, de que eles tivessem cometido o delito. Além disso, argumentaram que deveriam ser beneficiados pelo princípio da insignificância. Motivo: o valor seria irrelevante para uma companhia do porte da Cemig.

      Segundo a denúncia do Ministério Público, em dezembro de 2008, um funcionário da Companhia Energética de Minas Gerais, em uma visita técnica à residência dos réus, constatou que a medição de consumo estava sendo fraudada por meio de um “gato”. A ligação clandestina foi admitida e os três foram denunciados pelo delito de furto. A Cemig informou que a empresa teve um prejuízo de R$ 6.758,77.

      Um dos réus informou à Polícia que deixou de pagar algumas contas da Cemig por dificuldades financeiras, e que teve o fornecimento de energia cortado por 15 dias. Nessa ocasião, foi feito o “gato”, ligando a captação de energia diretamente ao padrão. Ainda segundo ele, o “gato” só foi descoberto depois de um ano. Na época, a Cemig cortou a luz e reativou o fornecimento após o pagamento de algumas taxas e a instalação de um novo padrão.

      Para o juiz José Carlos dos Santos, da 2ª Vara Criminal de Barbacena, o boletim de ocorrência e o laudo pericial comprovaram a materialidade do crime e a conduta ilícita dos acusados. Em sentença de abril de 2011, ele também descartou a aplicação do princípio da insignificância, porque, adotando-se um critério objetivo, a perda financeira superou R$ 6 mil. Ele fixou a pena em dois anos de reclusão e pagamento de dez dias-multa para todos os réus.

     Os réus recorreram em julho do mesmo ano. Afirmaram que têm bons antecedentes e são primários. Sustentaram que o prejuízo da Cemig é “tão ínfimo que não acarreta danos à companhia energética”.

     O relator do recurso, desembargador Reinaldo Portanova, absolveu os consumidores. Entretanto, ficou vencido. O restante da turma manteve a condenação.

      “Não é recomendável premiar os apelantes com o reconhecimento do princípio da insignificância/bagatela, pois inexiste antijuridicidade material e tampouco se trata de pouca importância”, disse Melo.

 

      Processo 2027897-46.2009.8.13.0056

      FONTE: Revista Consultor Jurídico